Frequência de moradores de rua no PUM gera incômodo e Câmara solicita estudo 'urgente' para melhoria da segurança

  • 14/02/2020


Medidas como aumento do patrulhamento no entorno do complexo, em Presidente Prudente, já começaram a ser tomadas. Parque de Uso Múltiplo tem sido 'abrigo' para moradores de rua João Lucas Martins/G1 Um “estudo urgente” para a segurança dos usuários do Parque Uso Múltiplo (PUM), em Presidente Prudente, entre eles crianças, adolescentes, idosos e funcionários, foi solicitado à Prefeitura, por meio de requerimento da Câmara Municipal. O documento foi apreciado e aprovado nesta semana pelo Poder Legislativo. O Parque de Uso Múltiplo foi inaugurado na década de 1980, no primeiro governo do ex-prefeito Paulo Constantino. “Na época era apenas uma quadra a qual, vários esportes apoiados por clubes do município usavam”, conforme consta no documento do autor do requerimento, o vereador José Geraldo de Souza (PSD). Fácil acesso e doações da população incentivam permanência de moradores nas ruas de Presidente Prudente, diz Creas-POP Prefeitura de Presidente Prudente descarta ampliação da Atividade Delegada da Polícia Militar ao Parque de Uso Múltiplo O pedido de estudo feito pelo parlamentar lista as seguintes considerações: Após algum tempo a quadra ficou abandonada e no ano de 2009, começou a ampliação do espaço e assim atender várias modalidades; A falta de segurança está deixando o espaço cada vez mais inapropriado para o uso ao qual foi destinado (esporte); A falta de Iluminação apropriada vem colaborando para que usuários de drogas, meliantes e moradores de rua se escondam dentro da área; O espaço vem sendo invadido por moradores de rua e delinquentes o dia inteiro, adentrando nos banheiros e em todos os espaços, já não é novidade para os responsáveis deste local que: crianças e professores já assistiram casal de rua usando os banheiros para a prática de sexo, bem como o estacionamento para uso de drogas, isso acontece em plena luz do dia até o último horário de atendimento; Funcionários são ameaçados quando pedem para que se retirem do local, principalmente dos banheiros, pois é de uso das crianças, e uma vez acionado o policiamento, os mesmos se retiram, porém, após a saída da polícia eles voltam fazendo o que querem. A Prefeitura informou ao G1 que já recebeu o requerimento e que o documento está sendo analisado pelas secretarias de Esportes e de Assuntos Jurídicos e Legislativos. "Todos os esclarecimentos solicitados serão prestados dentro do prazo legal", salientou o Poder Executivo. Banheiros são um fator que propicia a presença dos moradores de rua no PUM João Lucas Martins/G1 ‘Prevenção primária’ Em setembro do ano passado, a Polícia Militar, por meio da 5ª Companhia, recebeu uma solicitação de aumento do patrulhamento nas imediações do Parque de Uso Múltiplo, devido ao movimento de moradores de ruas, usuários de bebidas e drogas, que causavam “incômodo” a frequentadores do local. Conforme contou ao G1 o capitão Emerson Barros, comandante da 5ª Companhia, a solicitação foi enviada pela Secretaria Municipal de Esportes de Presidente Prudente (Semepp) e o documento não citava os problemas e horários que eles ocorriam. Contudo, foi inciado um levantamento de informações e intensificação de ações de polícia, como o patrulhamento dentro e ao entorno do PUM. “Além das ações de polícia e intensificação, nós também fizemos uma ação junto à Secretaria do Meio Ambiente de recolha de alguns materiais, de lixos jogados, deixados por moradores de rua, principalmente ali próximo da figueira”, contou o oficial ao G1. Acúmulo de lixo é constatado nas dependências do PUM Cedida Passados alguns meses, com a posse de mais informações, a PM verificou que, na verdade, “o problema no PUM não é originário de polícia”. “É um problema social que consequentemente se transforma num problema de polícia”, declarou ao G1 o capitão Barros. A questão no PUM é os moradores de rua que ocupam o espaço, pois tem um ambiente propício para eles, como banheiro, quadra coberta para dormirem, banheiro para necessidade e lavar roupa, é um local escuro e de vez e quando tem movimento de pessoas a quem eles acabam solicitando dinheiro. “É um ciclo que se sustenta e que atraiu essas pessoas praquele local”, disse o oficial. Acúmulo de lixo e pichações são constatados no PUM Cedida Quanto à criminalidade, o capitão colocou ao G1 que na região do PUM não há um número incidência de crimes graves. Os delitos mais graves que ocorreram naquela região são alguns roubos, sendo um a uma drogaria, de madrugada, com prisões. Segundo o capitão, há outros assaltos e furtos, mas em ruas acima, já na área central, em comércios e a transeuntes. Próximo ao PUM houve casos de furtos a residência, “coisas de pequenos valores”. O de mais valor foi a uma igreja, no ano passado. De acordo com o comandante, “ali é um local que demanda de questões de prevenção primária”. Local é tomado por moradores de rua Cedida “A sugestão nossa é que se inicie com a prevenção primária, que são a poda de árvores, limpeza do local, a gente vê um monte de lixo acumulado dentro do PUM, pintura de paredes pichadas, melhora da iluminação pública, melhora das cercas que ficam ali no local e fechamento delas, porque a gente verifica que algumas ficam abertas à noite, facilitando a entrada dos moradores de rua para dormirem lá, usar drogas, tem um portão lateral bem baixo que facilita a escalada, alguns vãos construídos para a canalização da água da chuva que acabam ficando abertos”, descreveu. Ainda há a atuação com os órgãos da rede Órion (Ministério Público, Assistência Social, polícias), bem como a verificação com o Creas-POP sobre o acolhimento dessas pessoas e encaminhamento a tratamentos, se necessário e se aceito. A intenção é buscar orientá-los a ir para as casas de passagem, onde são disponibilizados colchão, banheiro, banho. Também é necessário entrevistá-los para saber quem são, de onde são, pois a maioria não é de Presidente Prudente, e se querem o tratamento para drogas, segundo comentou o capitão ao G1. “É uma coisa que demanda um pouco de tempo, um pouco de paciência, e demanda também do administrador do local de fazer as melhorias de segurança que a gente solicitar, entre elas a colocação de câmeras de segurança, estudo da viabilidade de implantação da atividade delegada, que aí um policial trabalharia no local constantemente e não só um patrulhamento num momento”, salientou ao G1. Diante das sugestões, cabe à Prefeitura tomar a melhor decisão para o local. Algumas medidas já começaram, como manter os portões que antes ficavam abertos, de acordo com o capitão. O oficial ainda colocou a orientação de que mesmo vigias não realizem abordagens a essas pessoas, mas sim acione a Polícia Militar ao ver alguma movimentação suspeita. Polícia Militar realiza patrulhamento pelas imediações Cedida Figueira próxima ao PUM também é usada como 'moradia' João Lucas Martins/G1 Banheiros propiciam a permanência dos moradores de rua no PUM João Lucas Martins/G1 Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região. Initial plugin text

FONTE: https://g1.globo.com/sp/presidente-prudente-regiao/noticia/2020/02/14/frequencia-de-moradores-de-rua-no-pum-gera-incomodo-e-camara-solicita-estudo-urgente-para-melhoria-da-seguranca.ghtml

Aplicativos


Locutor no Ar

Radio Regional FM Dracena

Programação Automatica

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Anunciantes